Arquivo de maio de 2013

CET estuda ampliar rodízio em São Paulo

quarta-feira, 29 de maio de 2013

29-05-2013-1

(O trânsito de São Paulo em um dia comum)

Desde 1997 é aplicado um rodízio de automóveis na cidade de São Paulo com o intuito de reduzir seu caótico congestionamento. A cada dia da semana, alguns veículos são proibidos de circular nos horários de pico de acordo com o final de suas placas. Os resultados chegaram a ser satisfatórios no começo, mas logo o caos voltou a reinar. Porém, suspender o rodízio é absolutamente inviável na cidade.

O tal rodízio atinge o centro expandido da cidade, ou seja, 150 km² do centro da cidade. Um estudo recente da CET pretende, no entanto, expandir a medida para avenidas movimentadas fora dessa área.

A CET afirma que mais 240 km de avenidas seriam somadas à restrição e, com isso, o trânsito ficaria até 15% mais veloz, além de uma queda de 20% em relação ao índice médio de congestionamentos. Estariam incluídas as avenidas como a Aricanduva (Zona Leste), Eliseu de Almeida (Oeste), Inajar de Souza (Norte) e Washington Luís (Sul), dentre outras bem movimentadas, nessa nova medida.

Porém o prefeito Fernando Haddad (PT) tomou uma decisão consciente (por hora, sabemos como a política muda rapidamente). Ele afirmou que só serão incluídas mais avenidas no sistema de rodízio à medida que o transporte público oferecido for melhor, mais amplo e minimamente suficiente.

Sabemos que o transporte público depende tanto da Prefeitura como do Governo do Estado, mas acontece que não estamos vendo melhorias no transporte oferecido à população, apenas o aumento da tarifa do ônibus… A ideia de Haddad é precisa, mas é preciso fazer algo nessa direção para que a conversa saia do papel.

Calibragem do pneu e seu bolso

terça-feira, 28 de maio de 2013

28-05-2013-1

Não há dúvidas sobre a importância dos pneus do carro para a segurança dos passageiros e motoristas. Além de ser o único contato do veículo com o solo, os pneus são peças fundamentais para frenagens, arrancadas e aderência. Mas saiba que não apenas segurança e desempenham são influenciados pelos pneus, mas consumo também.

Os fabricantes garantem que a vida útil média de pneus em carros de passei é de quatro anos. Mas isso depende da calibragem sempre correta. Por algum motivo, é comum que as pessoas confiram a calibragem apenas quando vão pegar estrada, mas a ruas da cidade castigam bem mais os pneus e, no geral, todos roam mais em ambientes urbanos do que em viagens.

Segundo os fabricantes de pneus, ainda, o brasileiro poderia economizar cerca de R$600 anuais de combustível só com calibragem de pneus. Isso para quem gasta apenas R$150 mensais abastecendo (a minoria).

Portanto, além de ser fundamental para a sua segurança e para dar uma maior vida útil à peça, a calibragem também tem uma influência direta no consumo do carro e, consequentemente, no seu bolso. O ideal é conferir a cada 15 dias, não custa nada.

Aston Martin único no mundo é leiloado por valor astronômico

segunda-feira, 27 de maio de 2013

27-05-2013-1

Muitas pessoas são realmente fissuradas em carros. Algumas, além de fissuradas, são milionárias. A ponto de pagar cerca de R$ 10 milhões em um Aston Martin.

Você não leu errado. Tudo bem, estamos falando do único Aston Martin DB4 GT Bertone Jet construído no mundo. O que ele tem diferente do DB4 GT? A mão do genial Giorgetto Giugiaro.

Por conta das mudanças feitas por Giugiaro, o Bertone Jet tem o entre eixos mais curto e pesa 90 kg menos que o DB4 “normal”. A ideia do então jovem designer italiano era trazer mais esportividade e desempenho para o GT 4 sem ter que alterar a tanto motorização.

Os números do Bertone Jet são comparáveis a muitos esportivos atuais, mesmo que seu lançamento tenha sido em 1961. Seu motor de 3.7 litros, seis cilindros em linha e 306 cv (o DB4 original tinha 243 cv) faz 0 a 100 km/h em 6,1 segundos e atinge a velocidade máxima de 245 km/h.

“Só” mais uma obra-prima de Giugiaro.

Verdade ou ficção? Conheça alguns detalhes do Mercedes Classe S

sexta-feira, 24 de maio de 2013

24-05-2013-1

Imagine um filme de ficção científica. Carros que fazem tudo, coisas que a gente nem consegue imaginar e algumas chegam até a serem engraçadas, de tão absurdas. Se você imaginou algo “comerciável” (ou seja, anda de carros voadores ou que andem sozinhos), então você pensou em algo próximo do novo Mercedes Classe S. Provavelmente, você pensou em algo menos completo que o novo sedã da marca.

Se você acha que estou falando de LEDs por todo lado (é o primeiro veículoa não ter NENHUMA lâmpada convencioanl), ABS, computador de bordo completíssimo, GPS, controle de trajetória, airbags, sensor de estacionamento, embreagem dupla e controle de tração, saiba que isso é o mínimo.

Se pensou em poltronas traseiras individuais que reclinam 43º e apoio completo para as pernas, no estilo avião primeira classe, ainda é pouco (sim, o Classe S só comporta quatro pessoas).

Quando falamos de coisas próximas a ficção científica, estamos dizendo que as poltronas têm 14 pontos de massagem para os passageiros e telas individuais para o banco traseiro. Mas ainda é pouco.

O carro tem uma câmera frontal tridimensional que calcula os desníveis do solo e ajusta imediatamente a suspensão a ar para cada buraco e ondulação. Em conjunto com radares ao redor do carro, esse sistema reconhece pedestres, obstáculos e tráfego em cruzamentos de dia ou de noite para poder prevenir e minimizar acidentes.

O estabilizador de velocidade é ativo, ou seja, ao ligar o piloto automático, o Classe S acelera, freia, mantém a distancia e até para de acordo com o carro da frente. Inclusive segue o veículo da frente em curvas longas, se esse for o desejo do motorista. Nesse caso, a direção funciona de forma autônoma.

O console central possui inúmeros comandos e, claro, telefonia. Como se não bastasse, a Mercedes informa que o carro tem 156 botões no total (para todos os passageiros), duas telas de alta definição de 12,3 polegadas (movidas por um processador Intel) e perfume ativo, que limpa o ar através de ionização e depois solta odor para deixar o ambiente mais agradável.

É o limite de conforto e luxo que um carro pode chegar antes da invenção de carros voadores que dispensam motoristas. Ele chega ao Brasil por cerca de R$800 mil.

Sobre em 28% o número de indenizações pagas pelo DPVAT

quinta-feira, 23 de maio de 2013

23-05-2013-1

O dado é preocupante. A quantidade de indenizações pagas pelo DPVAT subiu em 28% no primeiro trimestre de 2013 em relação ao mesmo período de 2012.

Como se sabe, o DPVAT cobre três casos: mortes, invalidez permanente e despesas hospitalar. Segundo a Seguradora Líder DPVAT, responsável pelo seguro obrigatório do país, 68% dos casos foram de invalidez permanente.

Outro número nada animador é a quantidade de acidentes envolvendo motocicletas: 70% do total, mesmo que a frota de duas rodas no país só representa 24% da frota total.

O perfil dos assegurados também aprece constante em relação a sexo e idade: 77% dos acidentes envolveram membros do sexo masculino e 51% dos assegurados gerais tinham entre 18 e 35 anos.

De acordo com o diretor de relações institucionais da Seguradora Líder DPVAT, Márcio Norton, o aumento do número de indenizações levanta a discussão sobre ações para reduzir este cenário. “Infelizmente, estamos verificando este aumento no número de indenizações ano após ano. Faz-se necessário um maior controle dos motoristas para coibir o uso de bebidas e a velocidade excessiva para todos os tipos de veículos, realização de campanhas educativas e esclarecimentos sobre direção segura são importantes para mudar este quadro.”

Até quando vamos ver isso se repetir, brasileiros? Caos do trânsito, falta de respeito, ignorar o próximo, encarar a rua como lugar de disputa e não de convívio, sem contar a fatal parceria quase inseparável de bebida e direção. Até quando?