Arquivo de novembro de 2013

Ka Concept baiano é carro global da Ford

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

22-11-2013-1

A Ford é sem dúvida a mais “brasileira” das montadoras. Para a Ford, a fábrica na Bahia é também uma central de planejamento. Foi de lá que surgiu a EcoSport, carro projetado para o mercado brasileiro que agora será vendido também na Rússia.

E foi justamente a fábrica brasileira que “deu a luz” ao Ka Concept, novo carro global da empresa. Ao contrário do que se imaginava, o Ka cresceu e será montado sobre a plataforma do New Fiesta e da EcoSport. Isso permitiu que o carro recebesse quatro portas, já que o projeto do Ka desde sempre tem apenas duas portas.

O desenho é muito semelhante a atual aposta da Ford, com o “bocão” frontal e as linhas fluentes e agressivas. O conjunto óptico lembra os traços da nova EcoSport.

Detalhes técnicos não foram revelados, mas a Ford prometeu “itens inéditos para o segmento de compactos, inclusive no quesito segurança”. Ou seja, controle de tração e estabilidade pode ser possíveis. Há também a promessa de uma versão sedã do Ka Concept. Com isso, o Fiesta Rocam será aposentado de vez e o Ka passará a ser o hacth compacto “oficial” da Ford.

Kia confirma Soul elétrico para 2014

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

21-11-2013-1

Soul EV ainda camuflado

Não é de hoje que, apesar do preconceito ainda existente, os carros elétricos e híbridos são gratas realidades. A Kia não poderia ficar de forae já confirmou o Soul elétrico para 2014.

O público torce o nariz pra esse tipo de propulsor por acreditar que eles não são potentes, mas isso é mais uma ideia errada. O Soul, garante a montadora, terá 110 cv de potência e atingirá a velocidade máxima de 145 km/h. Lembrando que não há no Brasil nenhuma via pública onde essa velocidade possa ser atingida.

Além do mais, o grande atrativo pra esse tipo de veículo é sua autonomia e consumo. A Kia promete que o Soul EV terá autonomia de 200 km.

O Soul EV será o primeiro veículo elétrico da Kia a ser vendido fora da Coreia do Sul. Ele faz de 0 a 100 km/h em menos de 12 segundos, informa a fabricante. Para recarregar completamente, a bateria deve ficar 5 horas conectada a uma tomada.

Torcemos para que dê certo no Brasil.

Suspensão faz Citroën e Peugeot passarem por recall

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

18-11-2013-1

O Grupo PSA, responsável por Citroën e Peugeot, convocou um grande recall essa semana. O motivo seria a possibilidade de um falha na suspenção. Como o sistema é compartilhado pelas duas montadoras, carros de ambas estão envolvidos.

A Citroën foi mais afetada que os modelos C3, C3 Picasso e Aircross foram envolvidos. Pelo lado da Peugeot, apenas o 208. O problema é na fixação do braço da suspensão dianteira.

No caso do 208, estão envolvidas 775 unidades do modelo com numeração de chassis de EB017919 a EB032339. No caso da Citroën, são 358 carros. No C3, estão envolvidos os chassis de EB528618 a EB533959. Os chassis dos modelos C3 Picasso envolvidos vão de EB529938 a EB535280 e do Aircross, os chassis vão de EB530986 a EB535745.

Como você já sabe, o recall não tem custo adicional algum ao proprietário e deve ser agendado o quanto antes. Para os donos do modelo da Peugeot, informações podem ser obtidas pelo telefone 0800-703-2424. Para Citroën, o número é 0800-011-8088. O site oficial de ambas montadoras também tem informações ao consumidor.

Ralou a roda

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

14-11-2013-1

Poucas coisas dão mais dó que uma roda novinha, linda, bem desenhada e avariada. Seja aquela “beijadinha” na guia, seja um dos inúmeros buracos na rua. Se isso acontecer com você, porém, mantenha a calma: tem conserto (quase sempre).

A média de preço para um pequeno amassado é de R$ 90 por roda, variando de acordo com o tamanho. Nesse caso, a peça é aquecida e arrumada numa prensa.

Um arranhão, mesmo que menos grave, tem custo de reparo mais alto e mais demorar. Isso porque o acabamento das rodas é feito em um material chamado epox. Ele deve ser completamente retirado e depois reaplicado, além de refazer a pintura e corrigir os defeitos. Por isso o preço médio sobre pra R$ 180 por peça e leva no mínimo quatro dias pra ficar pronto.

O grande problema é a repintura. Muitas vezes, a tonalidade não fica igual ao ser feita em apenas uma roda, senod necessário pintar o jogo. Isso vai encarecer muito o serviço.

Por isso, tenha muito cuidado ao estacionar e sempre atenção nas nossas ruas danificadas.

Peças recondicionadas: usar ou não?

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

12-11-2013-1

Esse deve ser o mais delicado dos assuntos no tocante a reposição de autopeças: usar ou não peças recondicionadas?

Primeiro, o que são elas?

São peças de outros carros que foram batidos, comprados pelo seguro, dados como ferro-velho e etc e passam a ser vendidas suas peças separadamente para abastecer outros carros. Por exemplo, seu carro sofreu forte batida na porta e é melhor trocá-la do que tentar desamassar e repintar.

Uma opção é usar uma peça recondicionada, afinal uma nova é muito mais cara. Se a peça a ser colocada em seu veículo apresenta boa qualidade, não há problemas nisso. Reutilizar pedaços de outros automóveis é, além de tudo, uma atitude sustentável que visa diminuir o consumo e saber reciclar objetos.

Qual a polêmica, então?

A maioria dessas peças usadas para substituição tem origem ilegal. Esse mercado não é incentivado pelas montadoras (lógicamente, afinal elas visam o lucro) e nem mesmo pelo governo (logicamente 2, afinal eles visam aquecer a economia pública a partir de iniciativas privadas).

Por isso que a maioria das peças recondicionadas tem origem em desmanches. Um carro roubado vai pra um desmanche onde é, literalmente, cortado e suas peças são vendidas para serem reutilizadas em outro veículo.

A grande dificuldade está em saber a origem da peça substituta, já que não há nenhum interesse do governo em incentivar o consumidor a gastar menos e, portanto, não há praticamente nenhuma fiscalização confiável para que o consumidor saiba a procedência do que está comprando. A ideia é que você compre sempre uma nova, mesmo sendo ridiculamente mais cara.