Arquivo de dezembro de 2013

Encare chuvas sem medo de infiltrações

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

26-12-2013-1

Verão no Brasil é período de fortes chuvas repentinas, isso todos sabem. Isso pode ser prejudicial para a tapeceria do carro. Como assim? Simples: infiltrações.

Infiltrações ocorrem quando o veículo está com algum problema em suas peças de vedação, normalmente feitas com borracha. A borracha que já perdeu parte de sua elasticidade por estar muito seca permite que a água entre na cabine.

Essa água na cabine é imperceptível porque, além de ser pouco, é rapidamente abvorvida por bancos, tapetes e assoalhos. Acontece que com o tempo, elas mancham, viram um ambiente perfeito para fungos que, além do mau cheiro no interior do carro, fazem mal para a saúde.

Para evitar esse problema, basta evitar deixar o carro no sol com frequência. Caso isso seja inevitável no seu dia a dia, sempre q lavar o carro, de uma atenção especial para as borrachas das portes e na moldura dos vidros, usando hidratantes especiais para elas.

Mas como saber se a vedação das suas portas está comprometida? Faça o seguinte teste: feche a porta prendendo uma folha de papel. De dentro da cabine, puxe a folha; se ela passar com facilidade é sinal de que os componentes estão comprometidos.

Nesse caso, leve ao mecânico para trocar a borracha.

Nissan cancela patrocínio ao Vasco da Gama

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

23-12-2013-1

Após a selvageria vista no dia 8 de dezembro pela última rodada do Campeonato Brasileiro durante o jogo Vasco e Atlético Paranaense em Joinville (SC), a montadora japonesa Nissan decidiu cancelar o patrocínio com o clube carioca.

Segundo a montadora, o ocorrido é negativo para a imagem da marca tanto quanto é para a imagem do clube carioca. Em nota oficial, a Nissan explicou que o que se viu não condiz com a filosofia da empresa. Com isso, o Vasco deixará de lucras R$ 7 milhões anuais.

O time em si não tem culpa da barbárie causada, como sempre, por algumas facções organizadas supostamente ligadas ao clube, que tem sim culpa a passo que permite e mantém a formação dessas organizações.

Como trata-se de um episódio específico, a Nissan não tirará o patrocínio de outras áreas do esporte no Brasil, sobretudo no esporte olímpico.

Confira abaixo a nota da Nissan na íntegra:

Depois dos recentes atos de inaceitável violência, a Nissan informa que não manterá o contrato de patrocínio junto ao Club de Regatas Vasco da Gama. A direção da Nissan considera que os referidos atos de violência são incompatíveis com os valores e princípios sustentados e defendidos pela empresa em todo o mundo.

O patrocínio havia sido assinado em julho de 2013, e tinha previsão de duração de quatro anos.

A Nissan reforça seu compromisso com o esporte brasileiro como Patrocinadora Oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e apoio a 30 atletas olímpicos e paralímpicos do Brasil.

BMW fabricará Mini no Brasil

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

20-12-2013-1

Uma notícia que movimentou o mercado brasileiro em 2013 foi a confirmação da BMW em abrir uma fábrica aqui, em Santa Catarina. Nesta semana, porém, a montadora bávara confirmou os modelos que serão montados no Brasil.

Foram confirmado 5 modelos, sendo um deles da amrca Mini, pertencente ao grupo BMW. Os modelos confirmados são pertencentes ao grupo que mais agrada os brasileiros: hacth esportivo, sedã médio e SUV.

Já foram prometidas as séries 1 e 3 mais os SUVs X1 e X3. Mas a maior surpresa foi a confirmação de que o Mini Countryman também será montado em SC. O preço, porém, não terá alterações em relação aos importados da marca já a venda por aqui.

Dentre as marcas de luxo que farão carros no Brasil, a iniciativa da BMW é a mais agressiva até agora e a que contempla mais modelos. A Audi fará no o A1, A3 e Q3, a Mercedes produzirá o GLA e CLA e a Land Rover o Evoque e o Freelander.

Peças de reposição

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

19-12-2013-1

Carro não é investimento: ele nunca vai ser valorizado na mão do proprietário, é muito caro e gera gastos. Na hora de pensar em reposição de peças, não é diferente. Mas isso não quer dizer que seja sempre preciso gastar “os olhos da cara”.

As peças de reposição podem ser oriundas de quatro fontes, com preços bem diferentes:

· Montadora - $$$$

· Mesmo fabricante da montadora, mas no mercado de reposição - $$

· Segunda linha e outras fabricantes - $

· Peças recondicionadas - $

A relação de preço entre elas é mais ou menos o que foi listado. Mas preste atenção em algumas coisas: existem peças boas e ruins nas quatro fontes. Nem sempre a mais cara é melhor e nem sempre é bom negócio pagar menos.

Tudo vai depender do que seu carro precisa e do que você quer. Uma dica valiosa: economia nunca deve ser feita com pneus e freios. Ainda assim, não precisa sair gastando em qualquer loja careira.

O mais seguro a se fazer é delegar a escolha para o seu mecânico de confiança. Ninguém melhor do que ele para avaliar a qualidade da peça. Além de ter a experiência com os diversos fornecedores, se por acaso a nova peça estiver defeituosa, é ele que terá que trabalhar gratuitamente para substitui-la.

Sem ABS e airbag obrigatório para o início do ano?

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

18-12-2013-1

A falada lei que obriga todos os carros em território nacional terem ABS e airbag de fábrica a partir de janeiro de 2014 pode ser adiada. O motivo? Preço dos equipamentos.

Com medo de os carros ficarem mais caros (e podem ficar mesmo enquanto tiver gente pagando) pode adiar a lei que garante mais segurança para os passageiros e motoristas. Como as vendas são mais importantes que a segurança…

O ministro da Fazendo, Guido Mantega, afirmou que é muito possível que a medida seja adiada. Com isso, carros como o Gol G4, Fiat Uno Mille e sobretudo a Kombi poderiam ser produzidos até a lei entrar em vigor.

Essa medida gerou outro problema: os compradores da Kombi Last Edition já se mobilizaram dizendo que devolverão o carro que, se não for o último, não tem nada de “colecionável”. Por outro lado, tirar de linha um veículo como a Kombi aumenta a pressão interna na Volkswagem por demissões em massa.

E aí? Como resolver o impasse?