Acessibilidade pra quem?

07-06-2013-1

Esta semana veio à tona uma noticia no mínimo “curiosa”. O escritor Marcelo Rubens Paiva postou em seu blog que foi multado três vezes por estacionar o carro em vagas para portadores de deficiência física.

Vamos voltar um pouco no tempo. Precisamente em 1997, quando o escritor lutava para conseguir implantar em São Paulo uma lei que conheceu nos EUA: a vaga especial para portadores de deficiência e a consequente licença do cadeirante para sua utilização. Depois de muito lobby e luta, a lei foi implantada e Marcelo Rubens foi homenageado sendo o portador da licença número 01.

O número subiu depois das renovações, feitas a cada cinco anos.

No governo de Lula, a lei ganhou caráter federal. Uma licença de SP pode ser usada no RJ ou em MG (antes não podia). Acontece que ele começou a receber multas por estacionar em vagas especiais. E foram três.

A licença, obviamente, é para o cidadão e não para o veículo. Portanto se o cadeirante pega o carro do pai, do irmão, do vizinho, é carona, passageiro ou qualquer coisa, sem problema. Ele leva a licença e deixa no para-brisa.

Estranhou, mas na terceira vez ele estava perto do veículo quando uma viatura da CET passou e o agente, sem nem descer da viatura, analisava o carro de Marcelo. O escritor acenou e gritou: “opa, esse carro é meu, chefe; tem a licença no para-brisa”. A multa chegou mesmo assim.

O que podemos tirar concluir?

Primeiro, a “preguiça oficial” é absurda. O “marronzinho” nem sequer desceu da viatura para conferir, parte do suposto que todo contribuinte é, no fundo, um bandido (será um reflexo de si mesmo?) e burla a lei.

Mas Paiva buscou recorrer, enviou foto de seu cartão DEFIS (em dia), de sua foto ao lado de seu carro de forma que a placa fosse visível (essa foto que ilustra o post). A resposta do Departamento de Operação do Sistema Viário (DSV): “seu pedido de revisão da multa foi rejeitado. A infração custa R$ 53,20, além de três pontos na carteira”.

Ainda foi sugerido que o escritor é meio burro, pois dizia que a licença não estava em um lugar visível. Licença que ele carrega há 11 anos de uma lei que foi criada muito por causa dele.

Afinal, a cidade é acessível pra quem? E o que importa pro DSV, fiscalizar de fato ou encobrir a incompetência de seus funcionários e ainda ganhar um trocado extra com multas mal aplicadas? Quem é o bandido que burla a lei, no fim das contas?

Tags:

Um comentário para “Acessibilidade pra quem?”

  1. rita suely disse:

    Procuro uma auto escola com simulador de direção em São Paulo, Capital, preferencia Zona Leste. Alguém pode me ajudar? Há muito tempo que procuro…

    Obrigada.
    Rita Suely

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.