Posts com a Tag ‘frio’

Dia Mundial Sem o Carro? Não em São Paulo

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A idéia é boa, mas pelo visto não pegou, a campanha do governo, prefeituras e ONGs para a população evitar usar o carro não surtiu efeito e o índice de trânsito permaneceu dentro média histórica calculada pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).
O índice é calculado com base em duas médias históricas: uma inferior e outra superior. Por volta das 7h30, a cidade estava com cerca de 50 km de vias congestionadas, valor próximo da média inferior para o horário, que é de 45 km.transito

Entre 7h30 e 8h foi o período em que a lentidão mais cresceu, chegando a 71 km. O recorde da manhã foi registrado por volta das 8h30, com aproximadamente 74 km de congestionamento - número dentro da média para o horário.

Era de se esperar que esta idéia do governo não fosse funcionar. Antes de querer bolar um dia sem carro, a cidade teria que minimamente possuir um transporte público descente, que desse algum motivo para o paulistano deixar seu veículo em casa para chegar ao trabalho, shopping, médico, etc…

Outro fator que deve ser levado em conta - mas que fica bem atrás da questão do transporte público de qualidade - é o clima. São Paulo amanheceu com um tempo nada animador para aqueles que têm carro deixarem o mesmo em casa.

Chuva, friozinho e encarar um busão lotado para fazer em 1h30 um percurso que faria em 30 minutos, não dá né?

Fonte: Uol

Cuidados com o carro no inverno

terça-feira, 4 de agosto de 2009

O inverno está castigando algumas regiões do Brasil. De manhãzinha é difícil para nós e para o carro funcionar com este frio todo, né? Pois bem, abaixo vão algumas dicas que deveremos ter com o veículo durante a temporada de inverno:

1-) Se o veículo tiver motor bicombustível e o motorista optar por rodar apenas com álcool, ou mais da metade de álcool, é fundamental manter o reservatório de partida a frio sempre cheio com gasolina.

2-) Nas regiões onde o frio é mais intenso, é bom verificar a se quantidade de aditivo do sistema de arrefecimento está correta. Se for o caso de frioivernocarro rigoroso é importante adicionar um anticongelante.

3-) O componente que mais sofre no inverno é a bateria, uma vez que as partidas são mais difíceis e podem levar mais tempo. Para facilitar o trabalho da bateria, procure não dar a partida do motor com algum acessório elétrico ligado, como faróis, som, luzes internas, ar-condicionado ou mesmo o ventilador.

4-) Nos carros um pouco mais antigos, cujo motor é equipado com carburador, é importante durante os dias mais frios manter o afogador puxado por mais tempo, a fim de se obter a temperatura de funcionamento mais rápido.

5-) Não exigir maiores esforços do motor, principalmente nos primeiros minutos de funcionamento. Motor, câmbio, transmissão, suspensão e os freios demoram mais tempo para atingir a temperatura ideal de funcionamento.

Fonte: G1

Calibragem com Nitrogênio

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

A calibragem dos pneus requer alguns cuidados. Para acertar na pressão, o primeiro passo é que eles estejam frios.

Outra dica é que a calibragem seja feita com nitrogênio ao invés de ar comprimido, já que esse gás mantém a pressão constante em todas as temperaturas e por mais tempo, fazendo com que os pneus sofram menos desgaste.

O nitrogênio é um gás inerte, não inflamável, ou seja, ar seco sem oxigênio. Esse gás mantém a pressão do pneu constante em todas as temperaturas e se ocorrer alguma alteração na pressão, ela será bem pequena.

A grande vantagem do nitrogênio em relação ao ar comprimido é que ele não se dilata, o que ocorre bastante com o ar comprimido, uma vez que em sua composição a umidade é elevada, ou seja, quando aquecido ocorre evaporação e em conseqüência perda da pressão.

Já o nitrogênio mantém a calibragem por mais tempo, facilitando a vida do motorista que vai precisar verificar a pressão menos vezes, se comparado ao uso do ar comprimido.

O resultado disso é que o pneu pode sofrer menos desgaste, já que a pressão se manterá dentro dos limites estabelecidos pelo fabricante.

O uso do nitrogênio é muito empregado em competições, em que a performance exige precisão de segundos. Mas vale ressaltar que a manutenção do pneu é que garante sua longevidade, ou seja, mesmo com nitrogênio a inspeção da pressão é necessária, embora em tempos mais espaçados.

É importante efetuar a calibragem dos pneus quando ainda frios, ou seja: o carro deve estar parado há uma hora, no mínimo, ou não ter rodado mais de três quilômetros em velocidade reduzida.

Feito isso, é importante ficar atento quando for necessário corrigir as pressões com os pneus quentes.

Nessas circunstâncias é preciso tomar as seguintes precauções indicadas pela marca Michelin: não desinflar o pneu, aumentar em 4 PSI (0,3 BAR) a pressão recomendada pelo fabricante e respeitar as diferenças de pressões entre eixos. Assim que tiver a oportunidade, verificar as pressões com o pneu frio.

Fonte: G1