Posts com a Tag ‘guincho’

Quem paga Zona Azul tem direito à segurança do carro

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Em um belo dia, você estaciona seu veículo em uma área de Zona Azul, coloca o cartão (que não é tão barato..) e sai tranqüilamente, sem preocupação, pois sabe que com a Zona Azul, seu carro estará lá, sem ser guinchado.

Ao voltar vem a surpresa, o carro não está mais lá, mas não tem nenhum cavalete. Ele não foi rebocado e sim roubado!zonazaulpark

Quem arca com o prejuízo? Em Joinville, a empresa que cuida do parqueamento da área em que o carro foi roubado foi a responsabilizada.

Confira o caso:

“Optando o Poder Público pela cobrança de remuneração de estacionamentos em vias públicas de uso comum do povo, tem o dever de vigiá-los, com responsabilidade pelos danos ali ocorridos”.

Assim, a empresa Soil Serviços Técnicos e Consultoria de Santa Catarina, foi condenada a pagar indenização no valor de R$ 8,5 mil ao motorista Acácio Irineu Klemke, que teve o carro furtado quando ocupava uma das vagas do sistema de Zona Azul da cidade de Joinville, serviço explorado pela empresa.

A empresa apelou da sentença ao TJ, sob argumento de que na condição de permissionária do município de Joinville presta serviços de parqueamento das vias públicas, mantendo e operacionalizando o sistema de estacionamento rotativo sem dever de vigilância ou guarda dos automóveis.

De acordo com o relator da matéria, desembargador Orli Rodrigues, a Soil é responsável pelos danos causados a terceiros nos estacionamentos sob seu controle.

Disse ainda que embora a empresa admita que a cobrança se preste a garantir a rotatividade dos veículos nos estacionamentos públicos, tal fato restringe direito fundamental de ir, vir e permanecer previsto na Constituição ao impor ao cidadão a obrigação de arcar com determinado preço para ter a permissão de estacionar em via pública.

Você encontra o processo na integra clicando aqui.

Fonte: Conjur

Carro Rebocado

terça-feira, 7 de abril de 2009

“Estacionar no proibido”, como dizem os agentes de trânsito da CET, pode custar uma dor de cabeça ao paulistano.

Caso o motorista fique muito tempo longe, ele se arrisca a encontrar apenas um cavalete no local onde deixou o veículo.

De acordo com a CET, entre agosto do ano passado e fevereiro deste ano, foram rebocados aproximadamente 1,7 mil carros e motos por mês - 58 por dia.

Os fiscais gastam em média 36 minutos para tirar um carro ou moto colocados em local indevido.

São 15 minutos do momento em que o guincho é acionado até o ponto em que ele chega ao local do guinchamento. Depois que chega, o guincho gasta 21 minutos para colocar o veículo sobre o caminhão e levar embora.
Detalhe: se o proprietário chegar a tempo, ele pode até convencer o agente da CET a liberar o veículo e deixar só a multa. Mas se o veículo já estiver sobre o caminhão, só resta ir buscar o veículo no pátio, depois de pagar as multas e eventuais débitos no Departamento Estadual de Trânsito.

O pátio da CET na Praça Alberto Lion, Ipiranga, mantém cerca de 500 veículos rebocados em ruas e avenidas da cidade.

Além do pátio da Alberto Lion, a CET tem ainda outros três na cidade: o Via Livre, na Marginal Tietê, o Aricanduva, no Parque Novo Mundo, e o SGP, na Marginal Pinheiros.

Como ter seu carro de volta:

Após guinchar o carro ou a moto, a CET deixa no local um cavalete com o número de telefone 1188. O proprietário deve ligar para esse número, em que o atendente vai orientá-lo a dirigir-se ao Departamento Integrado de Multas (DIM), situado no prédio anexo do Detran.

Ele deve levar certificado de registro de licenciamento do veículo atualizado mais cópia simples; RG mais cópia simples; e no caso de representante legal, a procuração original deverá estar com firma reconhecida e, se a procuração doe de pessoa jurídica, deverá ser apresentada com cópia autenticada do contrato social.

Para liberar o veículo, o proprietário terá de pagar multas pendentes e IPVA, mais R$ 375 pelo guinchamento, mais taxa bancária e, além disso, estadia no pátio de R$ 29,40 por dia.

Depois de pagar tudo, o proprietário receberá a liberação em seu nome, para retirada do veículo no pátio.

Fonte: G1