Posts com a Tag ‘rodovias’

Saiba quais são as 10 rodovias federais mais perigosas do país

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

04-12-2012-1

Baseado em dados do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) e do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), 8.516 mortes foram registradas nas rodovias federais do Brasil, em 2010. O número foi 15,4% maior em relação ao do ano anterior.

Outro levantamento aponta em quais rodovias houve o maior número de acidentes fatais. As regiões Sul e Sudeste dominam esse trágico ranking. Os motivos são diversos: péssima qualidade do asfalto, imprudência dos motoristas e falta de fiscalização e sinalização, por exemplo.

Só no trecho mineiro da BR-381, 116 acidentes fatais foram registrados em um ano. Uma terrível média de 25 mortes a cada 100 km de rodovia. Dos 116 acidentes fatais, 111 ocorreram no trecho da saída de Minas em direção a Vitória. Um desagradável trajeto sem pista duplicada, lotada de caminhões e com mais de 200 curvas.

Há algum tempo publicamos aqui no blog que mudanças na segurança automotiva ainda são motivadas por tragédias. Será que esses dados são alarmantes o bastante?

Confira quais rodovias foram listadas:

1. BR – 381 MINAS GERAIS - 116 ACIDENTES FATAIS;

2. BR – 101 ESPÍRITO SANTO - 94 ACIDENTES FATAIS;

3. BR – 040 MINAS GERAIS - 75 ACIDENTES FATAIS;

4. BR – 101 PERNAMBUCO - 73 ACIDENTES FATAIS;

5. BR – 470 SANTA CATARINA - 63 ACIDENTES FATAIS;

6. BR – 101 SANTA CATARINA - 61 ACIDENTES FATAIS;

7. BR – 153 GOIÂNIA - 50 ACIDENTES FATAIS;

8. BR – 116 RIO GRANDE DO SUL - 48 ACIDENTES FATAIS;

9. BR – 116 CEARÁ - 46 ACIDENTES FATAIS;

10. BR – 282 SANTA CATARINA - 42 ACIDENTES FATAIS.

Rodovias de São Paulo “ganham” mais 345 radares

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Segundo levantamento do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) os radares foram responsáveis por 10 milhões de multas aplicadas nos últimos três anos. Este número - que já não é nada pequeno - deve aumentar com a instalação de mais 345 novos radares nas rodovias paulistas nos próximos meses.

radarficalizacaoAtualmente as estradas já contam com 227 radares espalhados em rodovias estatais e privatizadas. A intenção de aumentar a fiscalização, segundo a DER, é para tentar diminuir a incidência de acidentes. Inclusive este é um dos o critérios escolhidos na hora de decidir onde colocar um novo radar

Ainda não é possível dizer a exata localização de todos os radares, mas aqui vão algumas dicas de locais que já tiveram a instalação confirmada:

1-) 14 ficarão no corredor leste da rodovia Marechal Rondon e em outras cinco estradas nas regiões de Piracicaba, Botucatu e Tietê.

2-) 21 serão instalados no trecho oeste da Marechal Rondon, entre Bauru e Castilho.

Fonte: UOL

Radares Escondidos

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

radar movel

Não respeitando uma resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), nas rodovias estaduais os radares móveis estão escondidos atrás de muretas, guard-rails e placas.
O jornal “Diário de São Paulo” flagrou cinco equipamentos irregulares, nas rodovias Anchieta, Castello Branco e Raposo Tavares. Os locais encontrados em cada rodovia foram os seguintes; Na Anchieta, estão atrás de muretas nos kms 16 e 18 da pista local, em São Bernardo do Campo.
Com esta prática o DER (departamento de Rodagens Estaduais), esta desrespeitando a resolução 146 do Contran, já que segundo a legislação, os radares móveis precisam estar visíveis paras os condutores.
O DER em defesa, alegou que os radares não estão escondidos, e sim protegidos para evitar atos de vandalismo e a ação do vento.
Os motoristas multados pelos radares ocultos podem recorrer, solicitando o cancelamento da autuação, segundo o presidente da Comissão de Legislação do Trânsito da OAB, Marcos Pantalão, o motorista deve anexar ao recurso uma foto do radar escondido.

É, alem de você ser multado, tem que adivinhar que vai levar a multa e fotografar o radar que está escondido, é cada uma que inventam.

Fonte: Jornal Metro

Nas estradas - dicas

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Nessa época do ano começa a aumentar os movimentos nas estradas, seguem algumas dicas de como proceder em alguns casos:

Marcando sua posição na estrada
Mantenha os faróis acesos de dia, durante toda a viagem, pois ver e ser visto é o código de segurança nas estradas. Sempre que for ultrapassar algum veículo, de seta e deixe-a ligada. Antes de passar por caminhões e ônibus, de uma leve piscada de farol ou um toque na buzina.

Dirigindo sob neblina intensa
Quando tiver dirigindo sob neblina nunca ligue os faróis altos, ele só prejudica a visibilidade. O correto é ligar os faróis baixos ou se possuir os faróis de neblina.

Evitando imprevistos e acidentes
A concentração e atenção nas lanternas de freio dos veículos que vão adiante é fundamental, procure olhar sempre através dos vidros dos outros carros para ver o que acontece à sua frente. Saia de trás de caminhões, ônibus ou furgões, que costumam obstruir completamente a visibilidade.

Mantendo distância segura dos carros
Nas rodovias mantenha uma distância de mais de 40 metros em relação ao veículo que segue à sua frente. Esse é o espaço que você precisará para imobilizar seu carro numa frenagem de emergência a 80Km/h sem bater no outro, rodando a 100Km/h a distância sobre para 60 metros e assim progressivamente. Ou de dois segundos de distância que também dá no mesmo.

Como conviver com os caminhões
Se um caminhão vier na sua cola, sempre de passagem, evite ultrapassa-los em curvas e decidas. Para não perder a velocidade, os caminhoneiros lançam o caminhão na faixa da esquerda subitamente, geralmente sem sinalizar. Nesse caso mostre sua intenção piscando sucessivamente o farol e acionando a buzina quando for passar por eles.

O que fazer quando há animais na pista
É muito comum ver um animal atravessando a pista, ao avistar um cachorro no acostamento, reduza a velocidade e sinalize para os carros que vêm atrás, pois é bem provável que cruze à sua frente e você tenha que frear bruscamente. Quando forem animais maiores como cavalos e gado, faça o mesmo processo de diminuir e passe sempre por trás do animal.

Fonte: Uol