Posts com a Tag ‘ar condicionado’

O calor e o ar-condicionado

terça-feira, 26 de novembro de 2013

26-11-2013-1

Esquentou. Se ainda não, acredite: vai. Não somos nós que dizemos isso, é o verão tropical chegando ao Brasil (ainda bem). E você vai continuar usando seu carro e, provavelmente, abusar do ar-condicionado. Então vamos dar umas dicas que podem ser valiosas.

Primeiramente, para o bem da saúde de todos os passageiros, é interessante que a temperatura interna do carro não esteja muito mais fria que do exterior. Algo como 15 graus de diferença pode trazer complicações em algumas pessoas.

Outra dica interessante é apontar as saídas de ar para as laterais e para o teto do carro e não para os passageiros. Como o ar frio desce e o quente sobre, a troca de calor vai tornar a temperatura do carro homogênea e não será tão agressivo para os naries e gargantas dos presentes.

Por falar nisso, a vontade de deixar a cisrculação interna ligada é grande. Ela fecha a entrada de ar externo e trabalhar apenas com o ar da cabine. Mesmo sendo uma boa para manter o carro mais frio e gastar menos combustível, é importante que de vez em quando a admissão externa seja aberta. Isso renova o ar, que tende a ficar muito seco e provocar crises alérgicas em passageiros.

De olho nisso, faça bom proveito do ar-condicionado e, principalmente, do verão.

Você conhece todos os tipos de ar-condicionado veicular existentes?

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

dirigindosex

Se antigamente o ar-condicionado veicular era artigo de luxo, hoje ele virou quase item obrigatório. Consumindo menos combustível e potência que outrora (mas ainda “bebendo” mais), é possível e comum carro com motores 1.0 possuírem esse sistema.

Mas a evolução dos ares-condicionados trouxe mudanças, claro. O antes “on/off” hoje dá lugar a vários tipos de controle de temperatura, automatizações e etc. Mas você sabe como funciona cada um deles? Vamos explicar.

Antes, podemos classificá-los em duas frentes: por funcionamento e por número de zonas. A primeira diz se o sistema é automático ou manual e a segunda diz quantas saídas independentes o sistema possui.

Primeiramente, o carro pode ter um ar manual, digital ou digital-automático. O que chamamos de manual nada mais é que o sistema analógico, em que a temperatura não é definida com precisão, apenas por aproximação. Normalmente, funciona girando um botão numa escala de mais frio (azul) para mais quente (vermelho).

O digital tem a vantagem de escolher exatamente a temperatura desejada e, em geral, vai de 17° a perto dos 28° (dependendo do modelo). Porém, ao contrário do que se pensa, esse sistema não consegue manter a temperatura constante na cabine porque o fluxo de ar não é variável.

O digital-automático tem essa vantagem. Ele funciona igual ao digital normal, mas através de sensores, mantém a temperatura escolhida dentro do carro com variações do fluxo de ar.

Definido o funcionamento, vamos às zonas. A maioria dos veículos conta com ar-condicionado “normal”, ou seja, de uma zona. Isso quer dizer que existe uma temperatura e fluxo de ar escolhidos para o interior do veículo.

Duas zonas são aqueles que motoristas e caronas têm temperaturas independentes. Quando, nesses casos, houver saída extra para o banco traseiro, esta não pode ser regulada.

Aí entra em cena o ar de três zonas. Tem um ajuste de temperatura extra e independente para o banco traseiro. E o de quatro zonas? São aqueles que equipam os carros mais luxuosos e tem temperaturas e saídas independentes para motorista, carona, passageiro atrás do motorista e passageiro atrás do carona.

Não me recordo de nenhum caso com múltiplas zonas que o sistema seja analógico.

Não se esqueça de manter as tubulações do ar sempre limpas, fazer as manutenções necessárias e bom proveito.

Para usufruir de um bom ar-condicionado é preciso limpá-lo

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

20-02-2013-1

O ar-condicionado automotivo tornou-se um dos itens mais requisitados do consumidor brasileiro. Em dias de calor na cidade, ter um bom sistema de refrigeração faz uma grande diferença. Em dias de chuva, desembaçar o vidro sem ar é tarefa dura.

Mas depois de algum tempo com o carro (ou no caso de comprar um veículo usado), muitos consumidores queixam-se do mau cheiro do ar. De fato, é comum surgir cheiro de poeira e ácaro pelos dutos do sistema. Uma limpeza resolve, mas, na verdade, você não deve esperar esse cheiro surgir para higienizar seu equipamento.

Pra começo de conversa, um ar-condicionado sujo pode causar problemas respiratórios. Se você já tem um histórico de bronquite ou rinite, com certeza isso vai agravar seu problema.

Um sistema de refrigeração deve ser higienizado cerca de duas vezes ao ano. O processo é simples e rápido e custa cerca de R$ 120,00. Em uma hora, uma oficina especializada troca o filtro do ar (não é o mesmo que o filtro de ar do motor, não confunda) e limpa os dutos. Simples.

Porém, se o cheiro dentro do carro estiver muito forte, pode ser que a sujeira chegou ao evaporador, que fica dentro do automóvel. Dessa forma, o proprietário terá mais problemas. Para limpar essa peça, é preciso desmontar o painel. O trabalho dura cerca de três dias e o preço sobe pra quase R$ 1000,00!

Então não se esqueça, para curtir bem seu ar-condicionado, vale dar aquela conferida pelo menos duas vezes por ano, não espere acumular fungos e ácaros e gerar mau cheiro no interior do veículo.

Na estrada: ar-condicionado ou vidro aberto?

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Uma dúvida que muitos condutores têm é se na estrada vale mais a pena andar com o vidro aberto ou utilizar o ar-condicionado. O que consome menos combustível? Bom, pela lógica, andar com o ar ligado aumenta simcarrovidroestrada o consumo de combustível, mas na estrada existe a exceção desta regra.

Nas estradas, com o vidro do automóvel aberto e você a uma velocidade maior que 70 km/h cria-se o chamado arrasto, ou seja, o vento entra pelas janelas e “segura” o veículo e isto faz com que o motor seja mais exigido, com maior desgaste e consumo de combustível.

 

Já com os vidros fechados e ar ligado, evita-se a criação deste atrito aerodinâmico, tonando a viagem mais econômica. Já na cidade o consumo de combustível será maior utilizando o ar-condicionado do que se estivesse com os vidros abertos.

Resumindo então:  Se estiver a mais de 70 km/h feche as janelas e ligue o ar.

Para finalizar, uma curiosidade: O compressor do ar-condicionado dos carros funciona de forma constante, portanto não importa se você estiver utilizando o ar na potência 1,2,3 ou 4, o consumo de combustível será sempre o mesmo.

Fonte: G1

Como desembaçar o vidro

quinta-feira, 16 de julho de 2009

O embaçamento é um fenômeno causado por minúsculas gotas de água que se depositam nos vidros do automóvel. Isso atrapalha a visibilidade do motorista porque essas gotículas geram a refração da luz.

Para se livrar desta mal, os carros possuem três tipos de sistema para desembaçar os vidros:

1-) Por estar presente em todos os carros, o ventilador é o mais comum eembacado o menos eficaz. Nele o vento age por meio da diluição da umidade próxima ao para-brisa, mas para isso acontecer o ar externo deve ter umidade relativa menor do que a do interior do veículo.

2-) O sistema de aquecimento faz com que o ar aquecido diminua a umidade relativa, aquecendo o vidro, impedindo o choque térmico do ar úmido no vidro frio.

3-) Considerado o mais eficiente, o ar-condicionado elimina a umidade do ar. Isto acontece porque com ele em ação, a umidade se condensa e é drenada para fora do veículo. Por isso, a umidade relativa do ar da cabine diminui consideravelmente e os vidros desembaçam rapidamente.

Fonte: Vruum