Posts com a Tag ‘preço’

Os mais caros brasileiros

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

17-10-2013-1

É sabido que o preço de carros no Brasil está entre os maiores do mundo. O público brasileiro gosta de pagar caro (aprece absurdo, mas é verdade). Antes da chegada de Mercedes, BMW e Audi, separamos então os 5 carros mais caros fabricados por aqui.

Interessante notar que a lista é composta exclusivamente por SUVs e pickups grandes, carros de origem rural mas que caiu no gosto do uso urbano e de grnades cidades. Não são carros econômicos ou pequenos, apesar de dificilmente transportar mais de duas pessoas por aqui.

Vamos à lista:

Chevrolet Trailblazer LTZ 4×4 2.8 automático (R$ 162.690): o mais caro do Brasil tem conforto de sobra. Ainda que não seja luxuoso como um sedã, a Trailblazer comporta 7 pessoas em bancos que mais parecem cadeiras de cinema.

Mitsubishi Pajero Dakar HPE 4×4 3.2 automático (R$ 156.490): robustez define o que é esse SUV. O beberrão SUV japonês também comporta 7 passageiros com conforto (não como a Trailblazer, mas não se tem do que reclamar).

Chevrolet S10 LTZ 4×4 2.8 automática (R$ 135.990): a versão pickup da Trailblazer traz os mesmos itens de série do SUV, mas, obviamente, não carrega tantos passageiros. Uma das grandes vantagens da tradicional S-10 é seu bom valor de revenda.

Nissan Frontier SL CD 2.5TD automática (R$ 128.990): a invocada e forte pickup japonesa é aquela que conta com mais itens de segurança da lista, como controle de estabilidade e traçao. Por outro lado, tem menos conforto que as concorrentes.

Mitsubishi ASX CVT (R$ 99.990): importado, ele já era querido pelo brasileiro. Agora fabricado em Goiás, o dinâmico SUV da Mitsubishi continua tendo boas vendas. É um ótimo carro e o mais bonito da lista.

E aí? Gosta desses veículos? Qual seu preferido?

Com fábricas no Brasil, preços de BMW, Audi e Mercedes vão baixar?

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Mercedes-Benz GLA Showcar Studio; 2013

Resposta: não. Ou muito pouco. E existem alguns motivos pra isso.

Primeiro porque mesmo produzindo os carros aqui, a tecnologia deverá ser importada. Isso tem um custo alto, tanto em mão de obra quanto em produtos.

Aí encontramos outro fator: mesmo montando no Brasil, a maioria das peças virão de fora. Num primeiro momento, cerca de 65% das peças dos carros ainda serão de fora.

Outro ponto é que será preciso amortizar od custos. A Audi, por exemplo, precisa vender quaser R$ 500 milhões para recuperar o valor investido no país. Quem paga isso é o consumidor, obviamente.

Mas mesmo assim, não deveria cair cerca de 10% os preços, só por não ter mais a taxa de importação sobre o produto pronto?

Então nos deparamos com o principal motivo dos preços permanecerem iguais. Uma lógica simples de mercado: tem muita gente que compra por esse valor, portanto baixar não soa lucrativo para a montadora.

O que podemos ter é uma queda de 3%, no máximo 5%, do valor por causa da suposta maior facilidade de manutenção e reposição. 10 % é sonhar alto demais e ter preços parelhos com os europeus chega a soar ridículo, dada a improbabilidade de isso acontecer.

Portanto, não se anime tanto. Os carros montados aqui não terão preços melhores e menos abusivos.

Gasolina deve receber 25% de álcool a partir de abril

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

22-01-2013-1

Antes de tudo, não se assuste. A gasolina que você paga (caríssimo) não é pura. Nunca foi e nem nunca será. Ela recebe 20% de álcool previsto por lei. Mas a partir de abril, essa quantidade subirá para 25%.

Isso é o que afirma a Agência Nacional de Petróleo (ANP). O prazo dado é para o final da safra de cana de açúcar.

Na verdade, a gasolina recebia um quarto de álcool em sua composição. O valor diminuiu para 20% para regular os estoques e preços do combustível vegetal. Mas agora o interesse é outro: evitar ou minorar o reajuste de preço da gasolina.

Não quero parecer incrédulo, reclamão ou cri-cri, mas não estou acreditando nem um pouco que o preço da gasolina deixará de subir. E mais: nem o do álcool.

E você?

Divulgado o preço do novo Focus

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

A Ford da Inglaterra divulgou os preços da nova geração do modelo Focus. O veículo deve começar a ser vendido no início de 2011, com cinco portas.

O modelo mais barato, terá o nome de Edge, e custa aproximadamente R$ 42.500, com motor 1.6 a gasolina, 104 cv e seis airbags. Além de som com porta para USB, ESP,ABS, fixaçãos isofix para cadeirinhas e comandos de voz ao computador de voz, e conexão Blutooth.

Já a versão Zetec pode vir com rodas aro 16, parabrisas e retrovisores aquecidos eletricamente, volante em couro, bancos esportivos e faróis de neblina dianteiros, pela quantia de R$ 2.650 a mais. As versões top de linha, chamadas de Titanium e Titanium X, vão custar cada R$ 49.790 e R$56.450. Ambas vêm com motor 1.6 a gasolina em duas versões, de 123 cv e 148 cv.

A lista de equipamentos conta com partida por botão, sensores de estacionamento e de chuva, luzes diurnas, banco do motorista com ajuste elétrico e faróis de xenon. Os acabamentos também podem trazer motores a diesel de 1.6 e 2.0 litros com potências entre 94 cv e 161 cv. Os 2.0 podem ser equipados com o novo câmbio de dupla embreagem da Ford, já os 1.6 trazem o sistema stop & start de série.

Fonte: Motor Dream

Carro mais barato do mundo no Brasil

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O carro mais barato do mundo, o Tata Nano têm chances de ser fabricado e comercializado aqui no Brasil. Essa é a idéia do empresário argentino Juan Carlos López Mena, que negocia com a Tata Motoros para realizar o projeto. Além de Brasil, a a Argentina e o Uruguai também receberiam fábricas da marca.

O pequeno veículo chama a atenção pelo seu baixo preço e pequeno tamanho, e vem sendo produzido desde 2008. Além da América do Sul, a empresa espera comercializar o veículo no continente Europeu a partir de 2011.

O veículo é de origem indiana, e esse é o único pais que atualmente comercializa o veículo. No seu país de origem o veículo custa 2000 dólares, enquanto por aqui a idéia de preço é próximo dos 5.500 dólares, quase o triplo do preço indiano.

A proposta foi feita por um grupo de empresários, do qual Juan Carlos faz parte, e ainda esperam resposta da fabricante.