Posts com a Tag ‘suspensão’

Danos por queda em buraco: o governo fica com a conta

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Como solicitar indenização se seu veículo é danificado por buracos ou defeitos no asfalto.

Suspensão quebrada e pneu rasgado são alguns dos inúmero problemas que o motorista pode ter ao cair em um dos vários buracos espalhados pelaburacorua2 cidade de São Paulo. Se temos que ser malabaristas para não passar bem em cima de um defeito no asfalto, não temos que ser mágicos na hora de pagar.

Se você tiver seu carro danificado função de um buraco ou defeito no asfalto, ou mesmo por um serviço público executado incorretamente, deve procurar seus direitos e solicitar do Poder Público o ressarcimento do dano.

Mas atenção a algumas dicas para conseguir o ressarcimento:

1-) Somente pode ser solicitado quando há um um dano real, substancial e mensurável.

2-) É necessário que o interessado solicite ao menos 3 (três) orçamentos por escrito, que especifiquem o que está danificado e qual é o valor gasto no conserto.

3-) Fotos do local, testemunhas e informações como endereço do local do buraco são importante para dar seguimento no seu pedido.

4-) Se você utilizar o carro como meio de trabalho é possível requerer um ressarcimento pelos dias perdidos enquanto o carro estava na oficina.

Fonte: Best Car

Contran decreta o fim das Tachas (olho de gato ou tartarugas)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

tartaruga

Se já não bastassem os buracos intermináveis das ruas e estradas, os motoristas são obrigados a enfrentar diariamente lombadas e tachas - popularmente chamadas de olhos de gato ou tartarugas - que são quase tão prejudiciais ao veículo quanto às crateras que insistem em abrir no nosso caminho.

Mas agora já podemos ficar um pouco mais contentes, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) proibiu o uso tachas em sentido transversal em todas as vias do país. Mas se são tão ruins, porque foram instaladas? Na época, a instalação transversal dos equipamentos nas vias foi permitida como alternativa às lombadas. No entanto, constatou-se que a prática provoca danos aos veículos e ao asfalto.

A utilização das tachas e tachões em sentido longitudinal, para divisão de pistas ou sinalização de faixas, continua permitida. A resolução foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (25) e modifica norma implantada em maio de 1998.

Fonte: Interpress Motor

Suspensão e seus componentes

quarta-feira, 6 de maio de 2009

1-) Amortecedores

Função: Diferentemente do que muita gente pensa, o amortecedor não é responsável por absorver aquelas pancadas quando o carro cai num buraco. O amortecedor funciona como um freio, que pára as oscilações da mola, causadas pelas irregularidades do piso. Ou seja, mantém o contato permanente entre o pneu e o solo.

Problemas: Os amortecedores com durabilidade comprometida provocam o desgaste prematuro dos pneus, risco de aquaplanagem (perda de contato do pneu com o solo devido à lâmina de água que se forma na pista), balanço excessivo do carro, ruídos na suspensão e perda de estabilidade.

Troca: Não acredite na recomendação de troca aos 30 mil quilômetros, pois podem durar menos ou (muito) mais do que isso, dependendo da suspensaoutilização (peso, tipo de piso etc.). Um amortecedor somente deve ser trocado após um apurado e criterioso exame visual, no qual se verifique o estado de componentes como bucha, selo, haste etc., além de possíveis vazamentos.

2-) Molas helocoidais
Estão presentes na maioria dos conjuntos de suspensão dos carros de passeio.

Função: Garantir a sustentação do veículo e ajudar a absorver impactos.

Troca: O estado das molas deve ser verificado sempre que se fizer o alinhamento da direção/suspensão ou a cada cinco mil quilômetros. Se os elos estiverem marcados, significa fadiga na mola, interferindo no alinhamento da direção.

3-) Componentes
Existem vários componentes do sistema de suspensão que devem ser checados durante uma revisão:

Batente: Protege o amortecedor no final do curso, reduzindo o batimento da mola. Deve ser verificado ao fazer o alinhamento ou qualquer manutenção da suspensão. Se estiver danificado, vai comprometer a ação e a durabilidade do conjunto amortecedor/mola.

Pivô: Permite a articulação da roda e sustenta o peso do conjunto de suspensão. Verifique a cada cinco mil quilômetros ou em todo alinhamento.
Terminal de direção: Transmite o movimento da caixa de direção para as rodas. Verifique a cada cinco mil quilômetros em todo alinhamento.
Bucha da suspensão: Articula o braço inferior da suspensão, evitando folgas e ruídos. Verifique a cada cinco mil quilômetros ou em todo alinhamento.

Tirante da barra estabilizadora: Barra auxiliar que atua na torção da barra estabilizadora e em conjunto com o amortecedor. Verifique a cada cinco mil quilômetros ou em todo alinhamento.

Fonte: IG

Buracos

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Ruas e estradas, tirando raras exceções, estão cada vez mais esburacadas, aumentando o risco de danificar os pneus e componentes da suspensão.

Para evitar os buracos dirija com uma boa distância do carro da frente e com muita cautela, mas se por acaso for pego por algum desses buracos, a saída é procurar uma boa oficina.

O custo dos danos causados por buracos vária muito dependendo do carro e do estrago, pode custar de R$ 80, que é um valor aproximado de um pneu para carros populares, até R$300, sendo necessário a troca da bandeja, braço de suspensão, molas e buchas.

Se o estrago for causado pelo buraco e não pelo desgaste normal das peças da suspensão, o seguro pode ser acionado.

Segue algumas dicas:

- Nunca pise no freio sobre um buraco, pisando, 70% do peso do carro é transferido para frente, podendo causar danos graves à suspensão dianteira.

- Não passe em poças d´agua em alta velocidade. Elas podem esconder verdadeiras crateras.

- Calibre os pneus semanalmente e com os pneus frios. Pneus vazios facilitam a formação de bolhas e rasgos

- Pressionar com força os cantos da carroceria para testar os amortecedores. O carro oscilando mais de uma vez e meia, vale verificar a necessidade de substituí-los.

- Se as molas estão desgastadas entre os elos é sinal de desgaste excessivo.

- Substitua as molas a cada 50 mil quilômetros.

- Faça alinhamento e balanceamento a cada 10 mil quilômetros, ou se as rodas e suspensão foram danificadas por batidas e riscos profundos.

Fonte: Uol